terça-feira, 5 de junho de 2018

BRASILEIRO JÁ PAGOU MAIS DE R$ 1 TRILHÃO EM IMPOSTOS EM 2018. ARAGUAÍNA NEWS

A arrecadação de impostos no Brasil cresce em ritmo acelerado e em contraste com a qualidade dos serviços públicos. Como forma de denúncia, a Associação Comercial de São Paulo (ACSP) mantém um painel com uma estimativa de impostos pagos pelo brasileiro. A Sputnik Brasil conversou sobre essa situação com Emílio Alfieri, economista da ACSP.








Impostômetro Associação Comercial de São Paulo (ACSP), no Centro da cidade de São Paulo-SP, ultrapassa a mara de R$ 1 trilhão cada vez mais cedo.



A ACSP é a responsável pela manutenção do chamado "impostômetro", que mantém uma contagem de impostos pagos pelos brasileiros ao longo do ano. Uma forma da classe comercial protestar contra o que a organização considera um abuso das autoridades.

Instalado em 2005, o painel dos impostômetro é uma estimativa através de dados fornecidos pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), que reúne impostos a nível federal, estadual e municipal. 

A marca segue sendo atingida cada vez mais cedo. Em 2017, foi alcançada 12 dias mais tarde do que em 2018, ano em que a linha de 1 trilhão foi ultrapassada às 7h50, na segunda-feira (4). No primeiro ano de monitoramento, ou seja, 13 anos atrás, a marca de 1 trilhão de reais foi registrada apenas no mês de outubro.

"Com o passar dos anos, os gastos públicos aumentam cada vez mais, com exceção talvez deste ano em relação ao ano passado, onde já existe a emenda constitucional que estabiliza o gasto no nível mais o índice da inflação, ou seja, ele não pode mais subir", afirma Emílio em referência à Emenda Constitucional nº 95, chamada de "PEC do Teto de Gastos" por seus defensores e de "PEC do fim do mundo" por seus opositores.

Para o economista, há impostos em excesso, além de um número alto de tributos a serem vencidos. Uma situação ruim em comparação com o cenário internacional.

"Em termos internacionais nós temos tributos em excesso, considerando o nível de renda que nós temos, que é um nível ainda de país emergente, não desenvolvido", afirma Emílio, que ainda acrescenta que o Brasil pratica um volume de impostos equivalente ao de países desenvolvidos.
 
"Nós temos uma carga tributária que quase de primeiro mundo e os serviços prestados, de educação, saúde, segurança são, vamos dizer, quase terceiro mundo", aponta o economista.

Para que haja uma mudança, o caminho apontado por Emílio seria a discussão de uma reforma fiscal como primeiro passo para que se possa reduzir gastos e logo após mexer na estrutura tributária.

Para ele, as eleições de 2018 são uma oportunidade de debater essa situação. O economista ressalta, no entanto, que deve haver cautela ao se modificar a teia de tributos, tendo em vista que isso poderia piorar o que já não estaria muito bom.
"Não dá para mexer muito agora porque aí a situação fiscal vai se deteriorar mais ainda do que ela já se deteriorou", afirma o economista, que acrescenta que uma reforma tributária neste momento traria a possibilidade indesejada de aumento de impostos.

Um caminho para conseguir essa mudança no cenário seria também a diminuição do número de tributos. Ou seja, uma simplificação das obrigações tributárias do brasileiro, o que facilitaria a vida, principalmente, dos empresários.

Isso, segundo Emílio, talvez melhorasse a eficiência da arrecadação e diminuísse a burocracia do Estado e também das empresas. Estas últimas, segundo Emílio, perdem até 4% do que arrecadam com funcionários que operam essa burocracia.

Até o final de 2018, o impostômetro deve chegar a quase R$ 2,4 trilhões, cerca de 10% a mais do que em 2017, quando o indicador atingiu R$ 2,17 trilhões.

Spuntik 

Sobre o Autor

Araguaina News

Autor & Editor

Araguaína News é uma página destinada a compartilhar informações com toda a comunidade de Araguaína e Região.

 
ARAGUAÍNA NEWS © 2015 - Editado por: Romilson Gomes | > Templateism.com